Rogue One: Uma história de Star Wars

Que Star Wars é uma das maiores franquias do cinema não é novidade e por isso a Disney achou que um spin off da saga seria ideal. E não estavam enganados. Essa história derivada, ocorre antes da franquia original e se mostrou completamente diferente dos sete filmes.

 

As diferenças entre os filmes

Como foi dito, este filme se difere dos demais pelo simples motivo: ele é mais realista, mais centrado e bem mais sério. Enquanto nos sete primeiros temos os Jedis e poder que eles tem, neste temos apenas política e uma guerra, por isso o filme possui um tom mais realista, pois deixa um pouco de lado histórias sobre e a Força e foca em uma disputa política- assunto que sempre é abordado nos filmes do Star Wars.

Neste filme também, as mortes são mais exibidas e mais brutais, diferenciando dos outros. O longa realmente mostra como é uma verdadeira guerra.

Elenco e as ambientações

Apesar dessas diferenças, o filme poderia ter um saldo negativo se o elenco não fosse excelente e ainda bem que esse não é o caso. Com um elenco forte e eficiente, conseguimos nos conectar com os personagens e torcer por eles, mesmo com o desfecho de cada um. Felicity Jones, transforma sua Jyn numa personagem forte e interessante. Afinal, toda a franquia apresenta ótimos personagens femininos e com esse filme manteve a tradição. Temos Diego Luna mostrando toda sua força como o Capitão Cassian.

Mads Mikkelsen também se sai muito bem como o pai da nossa protagonista, tendo um dos momentos mais dramáticos de todo o filme. O longa ainda conta com Donnie Yen, Riz Ahmed, Forrest Whitaker e Alan Tudky que faz a voz do robô K-2SO.
Já a ambientação é outro ponto postivo, pois nesse filme somos apresentados a diferentes planetas e com excelentes caracterizações desses ambientes.

Direção, roteiro e trilha sonora

Com uma direção segura, o diretor responsável é Gareth Edwards, faz seu trabalho muito bem. Com cenas de ação muito bem elaboradas e dirigidas, o filme consegue mostrar os horrores da verdadeira guerra travada na trilogia original (algo que não foi mostrado).

Mas não é só a direção que se sai muito bem, o roteiro é excelente, mostrando um lado que ainda não havia sido explorado na saga. Já a trilha sonora também merece destaque, pois o novo compositor criou sua própria marca dentro da franquia, mas sem ignorar o estilo do compositor clássico, John Willians.

Conclusão final

Como um dos melhores filmes de Star Wars já feitos, Rogue One, não peca em nada, por isso é um dos melhores filme de 2016, fechando o ano de maneira épica. Além do mais, o filme conta com participações especiais como o clássico vilão da saga, Darth Vader (que possuí uma das cenas mais legais de todo o filme) e a Princesa Leia mais nova. O que acabou sendo uma homenagem à atriz, já que ela veio a falecer no dia 27 de dezembro deste ano. No geral, o longa é magnífico e vale cada centavo.

 

 

Marco Lotes

Jornalista e aspirante a ator. Pothermaníaco e "dementador de livros" ele é extrovertido, amante da sétima arte e colecionador de relíquias cinematográficas.

Marco Lotes

Jornalista e aspirante a ator. Pothermaníaco e “dementador de livros” ele é extrovertido, amante da sétima arte e colecionador de relíquias cinematográficas.